Archive for the ‘Família do Clarinete’ Category

Tarogató (Um primo do clarinete)

O tárogatók (Tarogato plural, töröksíp, cachimbo turco ou, anglicized, tárogatós; romeno: taragot) refere-se a dois diferentes instrumentos de sopro húngaro: Tarogató o antigo e o moderno (ou modificados).O Tarogató moderno pretendia ser uma recriação do Tarogato original, mas os dois instrumentos tem pouco em comum.

Não está claro se o tarogato foi trazido para a Europa pela primeira magiares quando imigraram do Oriente, no século 9. É certo, contudo, que os instrumentos deste tipo, desceram do zurna do Oriente Médio, foram introduzidos na Europa Oriental pelos turcos durante a Idade Média, como evidenciado pela töröksip prazo “cachimbo turco” que foi utilizado como sinônimo para Tarogato. É possível que os instrumentos de ambas as tradições foram combinadas em uma única entidade. O Tarogato tem uma origem persa, e ele apareceu na Hungria durante as guerras turco. Até por volta do século 18, o Tarogato era um tipo de charamela, com uma palheta dupla, furo cônico, e sem as chaves.

Sendo um instrumento muito alto e estridente, a Tarogato foi utilizada como um instrumento de sinalização no campo de batalha (como a corneta ou a gaita de foles).

O instrumento foi finalmente abandonado sendo considerado muito alto para uma sala de concertos.

O tarogato foi um instrumento ícone da Guerra do Rákóczi para a Independência (1703-1711). Seu uso foi suprimido no século 18 pela monarquia dos Habsburgos.

tarogato

Na década de 1890 uma versão moderna foi inventada por Vencel József Schunda, um fabricante de instrumentos de Budapeste. Ele usa uma palheta simples, como um clarinete ou saxofone, e tem um furo cônico, similar ao saxofone.  O instrumento é feito de madeira, geralmente de madeira granadilha negro como um clarinete.  O tamanho mais comum, o Tarogato soprano em B ♭, é de cerca de 29 polegadas (74 cm) de comprimento e tem um som fúnebre semelhante a uma cruz entre um chifre Inglês e um saxofone soprano. Outros tamanhos existem, um criador, János Stowasser, anunciou uma família de sete tamanhos dos quais o maior foi um Tarogato contrabaixo em Mi ♭.  O novo Tarogato se parece muito pouco com o Tarogato histórico e os dois instrumentos não devem ser confundidos . Foi sugerido que o schundaphone nome teria sido mais exato, mas Tarogato foi usado por causa da imagem nacionalista que o instrumento original tinha.

Este instrumento foi um símbolo da aristocracia húngara, e o instrumento de sopro de madeira favorito do governador Miklós Horthy.

Fábricas na Hungria cessaram após a II Guerra Mundial, embora tárogatós continuaram a ser feitos na Romênia e em outros países. Na década de 1990 vários fabricantes húngaros começaram a produzir o novo instrumento.

Na década de 1920, Luta Ioviţă, que tcou o instrumento no exército durante a Primeira Guerra Mundial, trouxe-o para Banat (Romênia), onde se tornou muito popular sob o nome taragot.

Dumitru Farcas, que nasceu em Maramures, fez o instrumento conhecido em todo o mundo e é considerado o músico mais famoso que toca Tarogato.

Dumitru Farcas

Clarone

O clarinete baixo é um instrumento musical de sopro, um aerofone da família dos clarinetes, também conhecido como clarone. Pelo seu peso e tamanho, possui tudel e a campânula curvos (como no saxofone tenor) e um espigão para apoiar o instrumento no solo. Um solista pode tocá-lo também de pé com o suporte de correias. O clarinete baixo é um instrumento transpositor, geralmente afinado em Si bemol, soando uma oitava abaixo do clarinete de mesma afinação. Há poucas partituras orquestrais que pedem o clarone em Lá (Wagner é um exemplo). Como o clarinete, o clarinete baixo é um instrumento de palheta simples mas tanto a boquilha quanto a palheta são maiores, se assemelhando aos do saxofone tenor.

Grandes Claronistas:

Henri Bok (Holanda)

Manfred Preis (Alemanha)

Tara Bouman (Holanda)

Luís Afonso "Montanha" (Brasil)

 

image

Clarinetes estranhos e seus primos esquisitos!

Hoje vamos falar sobre o clarinete baixo em DÓ- século 18, e sobre o aulochrome.

Clarinete baixo em DÓ- século 18

clarinetebaixotorto

Este curioso instrumento, por mais esquisito que possa parecer, é um clarinete baixo, conhecido popularmente como clarone. Ele foi construído na Itália por volta de 1820 por Nicola Papalini e é construído com madeira de pereira envernizada, metal e chifre. O corpo é composto de duas placas separadas escavadas, para possibilitar a construção do tubo em forma de serpente; as metades foram coladas e apertadas com pinos de metal. Possue nove orifícios para os dedos na parte frontal (sendo o segundo e o oitavo dobrados, o primeiro e o quinto feitos para serem usados com as articulações dos dedos) dois orifícios para os polegares e um para a ressonância da campana. Com apenas 5 chaves de metal.

Aulochrome

aulochrome

O aulochrome é um novo instrumento de sopro inventado pelo belga François Louis em 2001. Consiste de dois saxofones sopranos que podem ser executados separadamente ou juntos. O nome origina-se do grego “aulos”, (nome de um importante instrumento de sopro da Grécia antiga) e chrome (cromático, colorido). Seu mecanismo possibilita que se toque os tubos juntos ou separadamente em toda a extensão. Também permite qualquer intervalo polifônico entre os tubos, assim pode-se tocar a nota mais grave de um tubo e a mais aguda de outro simultaneamente. Os primeiros a utilizar esse instrumento foram os saxofonistas Fabrizio Cassol and Joe Lovano, que recentemente fizaram gravações utilizando-os.

Fonte: http://www.clarinetemania.com.br

Instrumentos da Família do clarinete

O Clarinete possui uma “família”, composta por vários instrumentos:

  • Clarineta Sopranino . Em Láb – 1 oitava mais aguda que a requinta.
  • Clarineta Requinta – Em Eb (Mib) ou em D (Ré) – 1 quinta mais aguda que o soprano. A Requinta em Ré é antiga e incomum hoje em dia.
  • Clarineta Soprano (clarineta padrão) – o mais comum – geralmente afinado em C(Dó),Bb(Sib),A(Lá)
  • Clarineta Basset – Em A (lá) – muito usado em concertos para clarinete em lá, sobretudo no concerto de Mozart e quinteto de Mozart, este clarinete atinge notas de mais graves além do registro usual da clarineta padrão.
  • Cor de basset ou Corno Basseto – espécie de clarinete em Fá, tem o corpo ligeiramente diferente (curvo ou angular), muito usado por Mozart, mas caiu em desuso, apesar de ter sido usado por R. Strauss em Elektra, por exemplo.
  • Clarineta Alto – Em Eb (Mib) – 1 quinta mais grave que o soprano
  • Clarinete Baixo ou Clarone – Em Bb (Sib) – 1 oitava mais grave que o soprano
  • Clarinete Contra-Alto ou Clarone Contra-Alto – Em Eb (mib), 1 quinta mais grave que o Clarone e 1 oitava mais grave que a clarineta-alto
  • Clarinete Contra-Baixo ou Clarone Contra-Baixo Modelo Leblanc – Em Bb (Sib), clarinete em metal, 2 oitavas mais grave que o soprano
  • Clarinete Contra-Baixo ou Clarone Conra-Baixo Modelo Selmer – Em Bb (Sib), clarinete com o dobro do tamanho do seu parente de metal, clarinete em ébano comum, 2 oitavas mais grave que o soprano.
  • Clarinete OctoContra-Baixo – Em Bb (Sib) – Clarinete extraordinário, em metal, 3 oitavas abaixo do soprano, altura física: 2,76m

O mais comum como foi dito acima, é o soprano em Bb(Sib) e A(Lá), com 16 ou 17 chaves. O que não é mais comum é encontrarmos os clarinetes com 18 chaves e afinação em C(dó).

família do clarinete