Archive for the ‘O Clarinete’ Category

Tarogató (Um primo do clarinete)

O tárogatók (Tarogato plural, töröksíp, cachimbo turco ou, anglicized, tárogatós; romeno: taragot) refere-se a dois diferentes instrumentos de sopro húngaro: Tarogató o antigo e o moderno (ou modificados).O Tarogató moderno pretendia ser uma recriação do Tarogato original, mas os dois instrumentos tem pouco em comum.

Não está claro se o tarogato foi trazido para a Europa pela primeira magiares quando imigraram do Oriente, no século 9. É certo, contudo, que os instrumentos deste tipo, desceram do zurna do Oriente Médio, foram introduzidos na Europa Oriental pelos turcos durante a Idade Média, como evidenciado pela töröksip prazo “cachimbo turco” que foi utilizado como sinônimo para Tarogato. É possível que os instrumentos de ambas as tradições foram combinadas em uma única entidade. O Tarogato tem uma origem persa, e ele apareceu na Hungria durante as guerras turco. Até por volta do século 18, o Tarogato era um tipo de charamela, com uma palheta dupla, furo cônico, e sem as chaves.

Sendo um instrumento muito alto e estridente, a Tarogato foi utilizada como um instrumento de sinalização no campo de batalha (como a corneta ou a gaita de foles).

O instrumento foi finalmente abandonado sendo considerado muito alto para uma sala de concertos.

O tarogato foi um instrumento ícone da Guerra do Rákóczi para a Independência (1703-1711). Seu uso foi suprimido no século 18 pela monarquia dos Habsburgos.

tarogato

Na década de 1890 uma versão moderna foi inventada por Vencel József Schunda, um fabricante de instrumentos de Budapeste. Ele usa uma palheta simples, como um clarinete ou saxofone, e tem um furo cônico, similar ao saxofone.  O instrumento é feito de madeira, geralmente de madeira granadilha negro como um clarinete.  O tamanho mais comum, o Tarogato soprano em B ♭, é de cerca de 29 polegadas (74 cm) de comprimento e tem um som fúnebre semelhante a uma cruz entre um chifre Inglês e um saxofone soprano. Outros tamanhos existem, um criador, János Stowasser, anunciou uma família de sete tamanhos dos quais o maior foi um Tarogato contrabaixo em Mi ♭.  O novo Tarogato se parece muito pouco com o Tarogato histórico e os dois instrumentos não devem ser confundidos . Foi sugerido que o schundaphone nome teria sido mais exato, mas Tarogato foi usado por causa da imagem nacionalista que o instrumento original tinha.

Este instrumento foi um símbolo da aristocracia húngara, e o instrumento de sopro de madeira favorito do governador Miklós Horthy.

Fábricas na Hungria cessaram após a II Guerra Mundial, embora tárogatós continuaram a ser feitos na Romênia e em outros países. Na década de 1990 vários fabricantes húngaros começaram a produzir o novo instrumento.

Na década de 1920, Luta Ioviţă, que tcou o instrumento no exército durante a Primeira Guerra Mundial, trouxe-o para Banat (Romênia), onde se tornou muito popular sob o nome taragot.

Dumitru Farcas, que nasceu em Maramures, fez o instrumento conhecido em todo o mundo e é considerado o músico mais famoso que toca Tarogato.

Dumitru Farcas

A natureza do timbre e onde escutar o clarinete

 

O timbre da clarineta é muito diversificado. Na região grave, chamada de chalumeau o timbre é aveludado, cheio e obscuro; no registro médio, há uma mudança fantástica, pois o timbre se torna brilhante e expressivo. Conforme o registro vai-se tornando agudo, o timbre vai-se tornando cada vez mais brilhante, e ganhando uma natureza humorística, sarcástica.

A grande capacidade de expressão da clarineta tornou-a um instrumento de grande prestígio em diversos tipos de estilos. No Klezmer é que podemos ouvir os solos mais sarcásticos e "humorísticos" deste instrumento. No Brasil, este instrumento é bastante utilizado na execução de choros, e em grupos de samba, serestas e na própria MPB.

clarinete blog dos clarinetistas

O prestígio da clarineta

 

As possibilidades harmônicas, o grande controle de dinâmicas que o instrumento permite, a grande agilidade, a grande extensão de notas, a sua natureza de timbres e o poder sonoro dão à clarineta uma posição de destaque nas orquestras atuais. Alguns dizem que é o "violino das madeiras", em razão das virtudes mencionadas acima. No entanto, a clarineta ainda não é um instrumento perfeito e algumas notas ainda apresentam sérios problemas de afinação, mesmo com todo o trabalho iniciado pelo flautista Boehm, que foi adaptado posteriormente para os demais sopros.

O sistema Oehler é, hoje, considerado o mais apropriado para a clarineta, já que resolveu a maior parte dos problemas deste instrumento, mas, ainda assim, não é perfeito, pois acarretou uma perda de brilho ao timbre natural da clarineta. Enquanto o sistema Boehm, apesar de manter alguns desses problemas, mantém o brilho particular deste instrumento.

O controle dessas imperfeições cabe ao músico, e isso ajuda a tornar a clarineta um instrumento desafiador. Quem se interessar em tocar clarineta, saiba que precisará de muito empenho e dedicação, mas saiba também que irá se encantar com a beleza desse instrumento.

clarinete

A Influência da Boquilha e do Barrilete na Entonação

Sem dúvida, a boquilha é o componente do clarinete que exerce o maior grau de variação na entonação do instrumento.Existe uma pequena variação entre o volume mínimo e máximo da boquilha, que criam faixas modais e afinação fundamental.Dr Gibson estabelece que este volume ideal é de 13,5cm3.Quando o volume da boquilha sai fora desta faixa, o instrumento tocará tendencionado ao sustenido com pequeno volume ou ao bemol com um grande volume.

A relação entre o volume e o recorte inferior é uma relação inversa que também existe no diâmetro da boquilha e na câmara da nota.Os fabricantes de boquilhas proporcionam uma variedade de tonalidades, somente utilizando-se desta equação, desenvolvendo sua própria tonalidade, porém o volume do cilindro não pode exceder a 2/3 do volume total sem comprometer a faixa modal.
boquilha clarinete  

A entonação de uma boquilha projetada corretamente pode ser compromissada pelo estiloda face que ela utiliza. Faces curtas e fechadas tendencionam o instrumento ao sustenido,enquanto que faces abertas e longas tendencionam para bemol.Este conhecimento pode ser usado para corrigir problemas inerentes de boquilhas mal projetadas.Uma boquilha com afinação baixa pode ser encurtada pelo final da sua junta, porém a característica do som irá mudar.Eu tenho obtido sucesso na correção de boquilhas que possuem afinação alta, com adição de um anel de afinação de 0,5 mm colocado do lado da junta do barrilete.Algumas irregularidades de entonação podem ser balanceadas com um barrilete correto. De fato, o barrilete pode ser considerado como parte do sistema da boquilha.No projeto dos primeiros clarinetes a boquilha e o barrilete eram peça única. Isto ficou claro para os fabricantes modernos que, caso as boquilhas quebrem, é muito mais simples trocar somente a boquilha do que o conjunto.
A separação da boquilha e do barrilete se tornou comum nos projetos em meados do século XVIII, agora no século XXI, são oferecidas aos clarinetistas inúmeras combinações de boquilhas e barriletes que fazem a cabeça entrar em parafuso.O barrilete não é mais somente um elemento de entonação, mas também de afinação.


Uma boquilha com projeto correto, normalmente requer um barrilete de 66,0 mm (Buffet R13 Bb) para a afinação de A= 440-441.Um barrilete de 67,0 ou 65,0 mm são aceitáveis.Um clarinete Buffet em A, geralmente requer um barrilete de 65,0 mm, porém 66,0 mm ou 64,0 mm também são aceitáveis.Se você precisar usar um barrilete fora destes limites o problema poderá ser: a) a boquilha, b) o clarinete ou c) a pessoa que toca.

barrilete

Os barriletes, independentemente da forma externa, podem ser classificados em duas categorias: cônicos e não cônicos.O projeto do clarinete Buffet R13 necessita de um diâmetro “bore size” de 14,95 mm com uma redução de conicidade não linear. Isto transforma a dimensão do lado da boquilha de 14,96 mm. A razão é para compensar a afinação baixa no terceiro modo (notas acima de C3, registro altíssimo) necessita de boquilhas de pequeno diâmetro tais como as que são fornecidas junto com os clarinetes Buffet.

Por muitas razões muitos músicos nos Estados Unidos preferem boquilhas similares ao projeto de Frank Kaspar. Esta boquilha de grande diâmetro acoplada a um barrilete não cônico cria dois problemas de entonação.O terceiro modo tende ao sustenido e as notas “throat tones” tendem a bemóis.Neste caso os barriletes de conicidade reversa de Hans Moennig, são bem vindos.Os barriletes de conicidade reversa são maiores no lado da boquilha.Barriletes Moennig fabricados pela Buffet possuem 14,96 mm do lado da boquilha e reduzem para 14,7 mm do lado da espiga.

barrilete madeira
A inovação de Moennig para os clarinetistas americanos não é uma idéia nova.ela já era usada pelos clarinetistas alemães anos atrás,porém nós precisávamos dar um crédito ao Sr,Moennig para a introdução do uso deste barrilete no país.
Os clarinetes profissionais utilizados em grande quantidade nos Estados Unidos até 1960 eram fabricados pela Selmer e possuíam um grande “bore size”.Depois a Buffet começou a dominar este mercado e os músicos não queriam desistir das suas boquilhas de grande diâmetro projetadas para os clarinetes Selmer.O barrilete de Moennig veio solucionar este problema.

Esta redução severa no diâmetro pela conicidade possui vários efeitos positivos. O terceiro modo não tende ao sustenido e as décimas segundas próximas à boquilha possuem orifício pequeno. As notas “throat tones” tendem ao sustenido e possui o melhor foco.O choque criado pelo degrau na junção da boquilha e do barrilete pode adicionar uma resistência favorável que incrementa a resposta e centraliza a nota.

Especificações do Clarinete Montado

imageESPECIFICAÇÕES DO CLARINETE :
• Afinação em Si Bemol
• Corpo em ABS ou madeira
• Acabamento das Chaves NIQUELADO
• 17 Chaves
• Parafusos de Aço Inoxidável
• Sistema BOEHM
• 1 Barriletes
• 6 Anéis
• Juntas de Cortiça Natural
• Dimensões: 26cm x 37,5cm x 12cm
(AxCxL)
• Peso: 3Kg
Clarinete desmontado
Todas as peças são de encaixe. Por esse motivo o aluno deverá ter cuidado ao acoplá-las
para evitar danos às chaves.
 

Clarineta, um instrumento transpositor

O clarineta pertence a um grupo de instrumentos chamados transpositores, o que, em poucas palavras, pode ser resumido da seguinte forma: A nota escrita (na partitura) é diferente da nota verdadeira: isso por causa da afinação própria do instrumento. Sendo imageassim, é necessário que haja uma transposição de notas para que o clarinete toque no tom real da música. Isso trouxe facilidade aos músicos, pois, a clarineta possui uma extensão de notas muito grande. As clarinetas mais comuns são os instrumentos em Si bemol e em Lá. O instrumento em Dó, raramente usado hoje, era muito utilizado na orquestra clássica e pré-romântica (Mozart e Beethoven). Há, também, os clarinetes mais agudos, também conhecidos como requinta em Mi bemol, raramente encontrados em Ré (Richard Strauss e Stravinsky), e as clarinetas mais graves, como as clarinetas alto em Mi bemol, a clarineta baixo em Si bemol e a clarineta contrabaixo em Si bemol. Aparentado com o clarinete, é o cor de basset, afinado em Fá. Enquanto as bandas militares dão preferência à clarineta alto, as orquestras sinfónicas dão preferência ao cor de basset.

Particularidades do Clarinete

oboéA clarineta possui semelhanças com o oboé, mas difere deste no que diz respeito à sua forma (o oboé é cônico, e a clarineta é cilíndrica); no timbre (o oboé é rascante, anasalado e penetrante, enquanto a clarineta é mais aveludada que penetrante, menos rascante e mais encorpada); e na extensão de notas (o oboé possui a menor extensão de notas dentre os sopros, enquanto a clarineta, a maior). Essas diferenças se dão principalmente pela forma cilíndrica da clarineta e do uso de apenas uma palheta, enquanto que no oboé, no fagote e no corne ingês (também membros das madeiras) se utiliza uma palheta dupla.fogote

Os clarinetistas atualmente compram suas palhetas, e fazem os ajustes necessários artesanalmente a fim de corrigir as imperfeições destas, para adequá-las à sua própria anatomia e necessidade de som. A palheta é fixada na boquilha por meio da braçadeira, que funciona como um prendedor, onde o clarinetista manipula a força e intensidade com que a palheta está presa na boquilha. Via de regra, a palheta não pode estar demasiadamente frouxa e nem excessivamente apertada.

Embora o processo descrito acima, sobre o uso da palheta nas saxofoneclarinetas, também seja usado no saxofone, não podemos confundi-lo! O saxofone nasceu da clarineta e, por isso, apresenta mecanismos semelhantes, mas a embocadura da clarineta é muito mais tensa e trabalhosa do que a embocadura exigida no saxofone. E isso é muito nítido ao comparar a execução de um saxofone e de uma clarineta. Inclusive, muitos músicos que querem aprender a tocar saxofone, também optam por aprender primeiramente, ou paralelamente, a clarineta.

 

clarinete

Digitação do clarinete

 

digitação do clarinete

 

Observe na figura ao lado como se desenvolve a digitação (posicionamento dos dedos no
instrumento) do clarinete:
O Aluno deverá observar a disposição dos dedos nos orifícios como mostra a figura abaixo
para uma boa afinação e qualidade da emissão sonora.

 

 

 

Tabelas de Digitação

digitação clarinete

Tabela digitação do clarinete

Boquilha

A boquilha é a zona do clarinete onde se sopra. Usa-se uma palheta (feita de cana, que vibra com a passagem do ar), produzindo som.

De que adianta ter um bom Clarinete e não ter uma boa boquilha?
Na verdade a boquilha é uma peça de extrema importância no clarinete.

No início do século 20 as frágeis boquilhas de madeira e de vidro foram substituidas por boquilhas de plastiscina que fazem a maior parte das boquilhas fabricadas hoje em dia. Algumas linhas de boquilhas de cristal ainda são fabricadas, mas essas não são extensamente usadas devido ao alto custo e fragilidade.

Sem dúvida, a boquilha é o componente do clarinete que exerce o maior grau de variação
na entonação do instrumento.

boquilha clarinete boquilha clarinete

Cuidados com o clarinete

Para ter um instrumento sempre em perfeitas condições é necessário,

antes de tudo, tratá-lo muito bem. Alguns cuidados são essenciais para

que o clarinete tenha uma vida útil e longa bastando, apenas, alguns

cuidados bem simples. Segue, abaixo, uma série de procedimentos que

serão úteis para manter o clarinete com uma boa aparência e um bom

funcionamento.

ESTOJO

O estojo não serve somente para guardar o clarinete, mas também para

protegê-lo de pancadas e coisas do tipo. Existe, também, uma espécie de

bolsa que serve para transportá-lo. É bem mais prática para quem pega

ônibus é bem mais prático do que com o estojo, mas não oferece uma

proteção tão boa quanto o outro.

SECANDO O CLARINETE

Após terminar de tocar o instrumento, você deve sempre secar suas partes.

Para isso, retire a boquilha e a enxugue bem. Nocaso da palheta, deve-se lavar. Se você quiser lavar a boquilha também é bom, mas não se esqueça de retirar a abraçadeira.

Para limpar o clarinete por dentro você deve usar escovas especiais de secagem que são encontrada com facilidade em lojas de acessórios para instrumentos musicais. Mas, se você não tem esse tipo de escova, faça da seguinte maneira: Arrume umpedaço de barbante ou qualquer outro tipo de cordão que seja resistente, um pesinho (pode ser um parafuso, porca etc.) e um pano macio de preferência que não solte fiapos (recomenda-se aquele pano que se usa em fraldas, ou pode ser uma flanela). Prenda o peso numa extremidade e o pano na outra. Recomenda-se que se cubra o peso com uma fita (pode ser esparadrapo). Isso evita que se arranhe o seu instrumento. Introduza o peso pela campana do clarinete. Manobre o instrumento de maneira que o peso saia pelo outro lado. Puxe o barbante com o pano e repita a operação quantas vezes forem necessárias. O mesmo deve ser feito com a boquilha.

LIMPANDO O CLARINETE

Após o uso, o mais indicado é passar uma flanela ou um pano macio em toda a superfíciedo clarinete, passando pelas chaves e anéis e os espaços entre eles, tudo com muito cuidadoara que não empene o mecanismo das chaves e anéis do clarinete dada a sua sensibilidade.

Este procedimento evita o acumulo de crostas e a oxidação das chaves e anéis do instrumento.

 

image